May 25, 2015

Cometas em 2015: C/2015 G2 (MASTER)

Imagem por A. Maury e J. G Bosch do cometa C/2015 G2. Imagem acessada em Maio de 2015 em Aerith.net.
Um cometa recentemente descoberto (em 10 de abril) por P. Balanutsa e outros está visível e favorável a observadores do hemisfério sul. Seu nome é MASTER segundo Mobile Astronomical System of the Telescope-Robots ou arranjo de telescópios do Observatório Astronômico Sul Africano que foi usado na descoberta.

Segundo S. Yoshiida (1), esse cometa teve periélio em 23 de Maio último. No final de Maio, esse cometa pode ser observado na fronteira entre Monoceros e o Cão Maior com magnitude entre 6.0 e 7.0. A curva de luz em (1) mostra que esse objeto terá magnitude abaixo de 10.0 até pelo menos Julho de 2015.

O extrato de uma carta de (2, abaixo) mostra a posição desse cometa como visível no final de Maio de 2015.

Carta segundo (2) com a posição no final de Maio de 2015 do cometa Master. A estrela no centro é Sírius. 

Referências

May 21, 2015

A história da Astronomia no Brasil (Livro)


O objetivo e a justificação do projeto, 
baseados na revisão bibliográfica da história 
da astronomia no Brasil e na periodização 
da história das ciências no Brasil, 
estipularam a abrangência da astronomia,
enquanto domínio de conhecimento e conjunto
de atividades, e dos temas a serem abordados
na obra. A consideração conjunta da utilidade e
do público-alvo da obra orientou a abordagem
dos temas e a sua organização, o estilo do texto
e a inclusão da história do tempo presente. É
feita uma avaliação do produto final e do seu
potencial para futuros estudos.
Oscar Toshiaki Matsuura
(MAST/MCTI e Programa HCTE/UFRJ)
Boa notícia do Prof. Tasso Napoleão:
Acaba de ser disponibilizada, no site do MAST, a versão eletrônica do livro "História da Astronomia no Brasil" (2013), em dois volumes e cerca de 1300 páginas no total. A organização da obra esteve a cargo do Prof. Oscar Matsuura, e sua elaboração coube a uma equipe de mais de cinquenta autores, entre os quais este amigo de vocês (Cap. 15, Vol 2).

Trata-se de obra inédita por sua extensão e abrangência: a última obra com este tema havia sido originalmente publicada em 1955 por Abrahão de Moraes (83 páginas, Ed. Melhoramentos) e reeditada em 1984 pela USP.

Essa fonte é, certamente, bastante relevante para quem se interessa por Astronomia em geral e, em particular, sobre o desenvolvimento dessa ciência no Brasil.

Link para a página da obra:


Dados da obra


História da Astronomia no Brasil (2013)

MAST/MCTI, Cepe Editora e Secretaria de Ciência e Tecnologia de Pernambuco | Recife, 2014

Oscar T. Matsuura (Org.)
Comissão Editorial: Alfredo T. Tolmasquim, Antonio Augusto P. Videira,
Christina H. Barboza e Walter J. Maciel
Companhia Editora de Pernambuco - Cepe | Recife, 2014

Realização Museu de Astronomia e Ciências Afins

Apoio Secretaria de Ciência e Tecnologia de Pernambuco

ISBN da versão digital

ISBN do volume 01 : 978-85-7858-276-0
ISBN do volume 02 : 978-85-7858-277-7

May 6, 2015

Uma saga de amadores

Cometa C/2014 E4 (Jacques) descoberto pelo SONEAR. Imagem de Agosto de 2014 por Gianluca Masi e Pier Luigi Catalano (Itália)
"...le hasard ne favorise que les esprits préparés". 
L. Pasteur (1822-1895)
No passado a descoberta de cometas era fruto do trabalho de astrônomos que não largassem as oculares e que estivessem dispostos a permanecer em vigília incansável, percorrendo vasto setores do céu em uma busca monótona e muitas vezes solitária. O advento de câmeras CCD, o barateamento de processos de inspeção automática de imagem, processadores numéricos e, principalmente, meios de comunicação bastante rápidos mudou as estórias de amadores, porque a busca por cometas e asteroides pôde ser automatizada de uma forma nunca antes imaginada.

O Brasil teve um observador da época pré-CCD que quase chegou a descobrir um cometa. Seu nome foi Vicente F. de Assis Neto (1936-2004, 1). Já na época da internet, destaca-se o trabalho de Paulo Holvorcem, que descobriu vários cometas e recebeu prêmios internacionais (2), com buscas feitas com instrumental fora do Brasil. Uma iniciativa pioneira acontece porém a partir do observatório Phoenix, que é conhecido como SONEAR, ou acrônimo para Southern Observatory for Near Earth Asteroids Research (Observatório austral para pesquisa de asteroides próximos a Terra, 3), instalado na cidade de Oliveira, estado de Minas Gerais. Segundo vários textos da rede (4), trata-se de investimento privado a serviço da busca por corpos próximos à Terra, uma atividade incentivada em várias partes do mundo. É pioneira porque usa equipamentos localizados em território nacional.
Fonte: Observatório SONEAR.

Como dissemos, a descoberta de um cometa cada vez menos acontece "por acaso", com seu descobridor grudado a ocular do telescópio em uma vigília feita com o olho.  Ainda assim, os recursos existentes presentemente podem fazer com que a busca de cometas pareça tarefa fácil. Entretanto, isso está longe de ser verdade. Há que se considerar o estado de competição internacional crescente, inclusive com um número cada vez maior de amadores bem equipados e preparados. Há várias campanhas profissionais bastante competentes, como é o caso da LINEAR (Lincoln Near Earth Asteroid Research), por exemplo, varrendo sistematicamente o céu. Hoje a descoberta se dá muitas vezes de dia, ao se vasculhar dezenas ou milhares de arquivos digitalizados colhidos em noites anteriores. Esses arquivos devem estar previamente calibrados e os telescópios muito bem alinhados para permitir a precisa determinação da posição. Portanto, a descoberta exige muito planejamento antecipado e aplicação de softwares dedicados - o que, naturalmente, requer conhecimento de processamento digital de imagem. Poucos amadores têm condições de compreender esse tipo de necessidade, quiça torná-la realidade operacional - o que aguarda maior automatização e integração da técnica. Mas, o SONEAR implementou esse processo com frutos que não se fizeram esperar: na lista de descobertas contam-se três cometas (C/2014 A4, C/2014 E2 e o C/2015 F4), sendo que o E2 alcançou visibilidade de binóculos, e 12 asteroides próximos à Terra, tudo isso utilizando principalmente um instrumento de 45 cm de diâmetro.

Hodiernamente, o diâmetro do instrumento é muito menos relevante do que a aplicação sistemática da técnica. Portanto, essas descobertas demonstram que alguns amadores avançados no Brasil têm conseguido resultados profícuos na busca por corpos no sistema solar, algo que não recebe a atenção devida dos profissionais desse pais. Isso é importante porque insere o Brasil na comunidade de buscas de corpos potencialmente perigosos e permite a descoberta de cometas, prática que perdeu muito de seu romantismo, mas que continua a ser uma aventura fascinante. 

Referências

Links acessados em Maio de 2015. 

(2) http://www.cometchaser.de/discoverystories/Comet-discoverers.html. A Paulo Holvorcem pode ser creditado o título de grande descobridor brasileiro de cometas da atualidade. Emmanuel Liais (1860-1900) descobriu um cometa em território nacional no século XIX conhecido como "cometa Olinda",  
(4) Ver: