March 21, 2015

Nova Sagitarii 2015 (Nova Estrela na constelação do Sagitário)

O "antes e o depois" numa imagem de A. Valvasori feita no dia 16 de Março último,
usando um telescópio de 32 cm de diâmetro. A imagem tem 20' x 20' de área. Fonte: Ref. (1)
Descoberta no dia 15 de Março último, um estrela nova, de coloração amarelada e bem no centro do "pote de chá", pode ser vista por meio de binóculos e até a vista desarmada, caso o observador se localize em região com pouca poluição luminosa (sua magnitude na data deste post é de aproximadamente 4).  A notícia parece ter sido divulgada em primeira mão no site da revista "Sky and Telescope" (1). Segundo a revista, a estrela foi descoberta pelo caçador de novas John Seach na Austrália e apresentava na data a magnitude 6. Ainda segundo a nota, um dia antes nada havia sido registrado no campo da imagem pelo menos até magntude 10,5.

Essa estrela está ao alcance dos observadores do hemisfério sul por se localizar na constelação de Sagitário. A posição da estrela é declinação: –28° 55′ 40″ e Ascensão Reta: 18h 36m 56.8s. O equipamento ideal para sua observação é um binóculo, embora o registro fotográfico da estrela (usando uma montagem fixa) pode ser facilmente obtido.

Até um espectro da estrela já foi feito no dia 17 de Março último por Jerome Jooste na África do Sul conforme mostra a imagem abaixo extraída de seu site de divulgação

Espectro da estrela feito por Jerome Jooste na África do Sul, usando um telescópio refletor de 8 polegadas. As faixas brancas mostram presença de fortes linhas de emissão tipicamente associadas à atmosfera da estrela. 
Um mapa da localização da estrela pode ser visto abaixo como distribuído pela AAVSO. Embora a importância do evento, em 21/3/2015, não se registrou nenhuma notícia dessa nova na primeira página do site da AAVSO. Esse mapa será mais útil à medida que a nova perder brilho e novos observadores tiverem interesse em localizar essa estrela e avaliarem seu brilho. 

Mapa com a posição da Nova Sagitarii 2015 fornecido pela AAVSO.
Referências

March 1, 2015

Cometas em 2015: C/2013 US10 (Catalina)

Fig. 1 Imagem do cometa C/2013 US10 por Jean-Francois Soulier em Setembro 2014. Esse cometa poderá ser visto no final de 2015 e será o cometa mais brilhante do ano. 
O ano de 2015 aguarda em seu final a visita de um cometa que poderá se tornar brilhante: o C/2013 US10, também chamado "Catalina" por ter sido encontrado no dia 31 de Outubro de 2013 na busca feita pelo sistema Catalina (1). Esse cometa foi descoberto por R. A. Kowalski com magnitude 18.0 e, no dia 2 de Novembro daquele ano, foi designado C/2013 US10. Inicialmente, o objeto foi tomado como sendo um asteroide, mas em buscas subsequentes (2), constatou-se que se tratava de um cometa. Acredita-se que esse cometa seja originário da nuvem de Oort, realizando sua primeira incursão ao interior do sistema solar. Por ter uma órbita parabólica (a excentricidade orbital é próxima de 1), é provável que esse cometa tenha um período de vários milhões de anos. 

Fig. 2 Madrugada de 7 de Dezembro de 2015, mostrando 
a conjunção do cometa com a Lua, Vênus e Marte.
É importante o leitor perceber que o nome "Catalina" refere-se genericamente a vários outros cometas, portanto, a busca por dados desse astro deve usar sua designação específica. Dados detalhados desse cometa em particular podem ser encontrados em (3) e (4). Seu periélio se dará em 15 de Novembro de 2015, portanto, é um objeto com observação favorável apenas no final de 2015. A razão para incluirmos ele aqui é que seu brilho poderá chegar abaixo de mag. 4.0, tornando-se o cometa mais brilhante do ano.

Onde encontrar o cometa Catalina

O palco para sua observação será o horizonte oriental, antes do nascer do sol, da segunda metade de Novembro de 2015 até aproximadamente quase a totalidade da primeira metade de Janeiro de 2016. As magnitudes esperadas nesse período estão entre 4.5-5.0. Para referência de observação, esse cometa poderá ser visto em "visita" (conjunção) a algumas estrelas, sendo que, no que vai abaixo, o  horário de observação é sempre 05:30 do tempo local (horário de Brasília para a posição de Campinas/SP):

27/11/2015 05:30 TL: HIP 69974, λ Vir. "Khambaliya";
09/12/2015 05:30 TL: HIP 69701, i Vir, "Syrma";
26/12/2015 05:30 TL: HIP 69612A, 15 Boo;
01/01/2016 05:30 TL: "Arcturus", α Boo.

Uma data que vale a pena se preparar acontecerá na madrugada do dia 7 de Dezembro de 2015, quando o cometa poderá ser visto próximo a Vênus e a Lua, com o planeta Marte um pouco mais acima como mostra a Fig. 2, para as latitudes austrais.  

Em particular, destaca-se também a conjunção com Arcturus na madrugada do dia 1 de Janeiro de 2016. Uma simulação desse encontro pode ser visto na Fig. 3. A magnitude estimada do cometa na data é aproximadamente 4.9, mas, por ser um cometa recente, pode se apresentar mais brilhante. Essa figura também mostra a renderização da posição da cauda do cometa - uma nova funcionalidade do software Stellarium. Essas conjunções ajudam a encontrar o cometa, envolvido nas brumas da alvorada ao longo de Dezembro de 2015.

Fig. 3 "Conjunção do cometa C/2013 US10  com a estrela α Bootes ou Arcturus em 1 de Janeiro de 2016 conforme simulação do software Stellarium.
O mapa da Fig. 4 permite identificar a posição desse cometa na madrugada da véspera de Natal de 2015. Admitida a presença da cauda, essa estará orientada em direção ao sol e pela imagem, o cometa se volta para o sul. O monitoramento da magnitude desse cometa é altamente recomendado, já que ele poderá passar por episódios de aumentos não esperados de brilho ao se aproximar do Sol. 

Fig. 4 Madrugada de 24 de Dezembro de 2015, mostrando o cometa C/2013 US10 entre as constelações de Virgem e o Boieiro, identificando-se a presença de Marte em Virgem. 
Referências e notas

(1) http://www.lpl.arizona.edu/css/
(2) http://southern-sky-observations.blogspot.com.br/2013/11/comet-catalina-2013-us10.html
(3)  http://www.minorplanetcenter.net/mpec/K13/K13V31.html
(4) http://www.aerith.net/comet/catalog/2013US10/2013US10.html

February 7, 2015

O que aconteceu aos canais de marte?

Fig. 1 Imagem comparativa de um mapa feito por Eugene Michel Antoniadi (1870-1944) e imagem do telescópio Hubble de marte. Essa imagem estabelece uma "comparação areográfica" entre as mesmas regiões de marte como vista por Antoniadi e registradas pelo Hubble modernamente. O telescópio Hubble é um dos mais avançados sistemas de observação criados, enquanto que Antoniadi foi um dos mais hábeis observadores do início do Século XX. Ver também Fig. 4.

"Além disso, a maioria dos canais que foram observados visualmente 
no Observatório de Lowell foram gravados repetidas vezes em 
um grande número de fotografias feitas durante os últimos quinze anos.

Finalmente, que as observações visuais extensivas feitas nesse 
observatório foram confirmadas in toto e corroboradas 
em detalhes pelas fotografias." (E. C. Slipher, ref. 17)

"Tenho a suspeita irritante de que existe ainda uma característica
essencial no problema dos canais marcianos 
que ainda permanece desconhecida." (C. Sagan, "Cosmos", 1980)
A maior parte da "geração do milênio" conhece, do planeta marte, imagens trazidas por sondas de exploração (1) que desceram naquele planeta e revelaram detalhes sem precedentes. Há porém uma história esquecida de exploração de marte, história feita de personagens que estudaram com sinceridade e fervor a superfície daquele planeta, não obstante as limitações de recursos técnicos e as distâncias de milhões de quilômetros envolvidas.

Hoje, a maioria dos textos que relatam as observações dos famosos canais marcianos restringem a estória a invenções criadas por dois observadores (1b): Giovani Schiaparelli (1835-1910) e Percival Lowell (1855-1916). Sobre Schiaparelli - o descobridor dos canais - a pouco confiável "Wikipedia" diz que ele "inadvertidamente popularizou a falsa ideia de canais artificiais em marte" (2). O "inadvertidamente" distorce o registro histórico do que realmente aconteceu. O fato é que a esses dois astrônomos é imputada a culpa pela propagação da existência dos canais (3). Na verdade, a época que se estendeu desde meados do século XIX até praticamente a década de 1960 foi marcada pela crença generalizada na academia na existência dessas construções, o que não é ressaltado nos textos modernos ou postagens da rede que pretendem descrever esse capítulo da história da Astronomia.

Fig. 2 O refrator Merz do Observatório de Brera (4).
Esse telescópio funciona até hoje e foi usado por
Schiaparelli em seus estudos areográficos.
Artigos científicos que relatam observação dos canais

Felizmente, é possível hoje em dia pesquisar artigos desse período e conhecer a opinião de outros observadores sobre a visualização de estruturas filiformes na superfície de marte. Por meio do refrator "Merz" (Fig. 2), Schiaparelli fez mapas detalhados da superfície de marte mostrando o que ele chamou "canali". Pretende-se explicar a estória dos canais como estruturas artificiais por um problema semântico entre a tradução da palavra "canali" em Italiano para "canals" em Inglês. O fato é que essas sutilizas semânticas não têm relação com o que outros observadores afirmaram ter visto em sucessivas oposições de marte no final do século XIX e início do século XX.

Nossa busca se deu no "SAO/NASA Astrophysics Data System" (6) em um período que vai de 1886 a 1954. É importante que o leitor esteja contextualizado no debate que ocorreu na época. Havia dois grupos de astrônomos: os que aceitavam a existência dos canais e os que afirmavam nunca ter observado as estruturas. Ainda que a balança da história tenha pendido  a favor desses últimos, é possível entender as falhas de observação a inúmeros fatores climáticos e de favorabilidade da oposição de marte. Do lado dos "crentes" haviam figuras ilustres como Antoniadi, por exemplo, sobre quem se afirma ter sido um crítico da existência dos canais, o que não é verdade (ver Fig. 1 e Fig. 4). Tudo isso aumenta o mistério em torno do tema, porque as teorias de ilusão - criadas para explicar o que Schiaparelli e Lowell viam com seus telescópios - não explicam porque esse fenômeno não se repete hoje em dia.

Fig. 3 Correspondência entre um mapa de Schiaparelli
e uma imagem moderna da região de Elysium e Syrtis
Major. 
Um artigo que chama a atenção é "Analysis of the Martian Canal Network" (5) de W. A. Webb (1955). Logo na introdução do artigo, esse autor declara:
Edison Pettit (*) confirmou a existência dos canais em 1939 e se convenceu de que eles eram tão numerosos quanto representados nos mapas de Schiaparelli de marte. Assim como Trumpler, ele também deixou de comparar seus desenhos com aqueles mapas de marte até que oposição passasse e seus desenhos fossem preparados para publicação.
A referência a Pettit citada é de um artigo publicado na "Associação de Astronomia do Pacífico" em 1947. Portanto, vê-se que até a década de 1950, havia pesquisadores que afirmavam a existência dos canais, o que mostra que essa estória não morreu com Schiaparelli e Lowell. O mais interessante desse relato é que, para reforçar a existência dos canais, era exigido que novos observadores não se influenciassem pelos mapas de Lowell e Schiaparelli. Acreditava-se que a simples consulta a tais mapas poderia induzir observadores a ver através do telescópio a existência dessas estruturas.

Na "Memoir of the British Astronomical Association" (7) , há na "seção de marte" uma relação de canais de marte e seus respectivos observadores. De lá extraímos a seguinte passagem:
O diretor, Mr. Cammell, nota que o número de canais observados foi 27. O Jamuna foi o único canal duplo visto distintamente. Gehon e o Ganges eram aparentemente duplos. Anubis, Astusapus e Astaboras eram visto como manchas sombreadas. Os canais nunca foram vistos muito distintos ou pretos, com exceção do Ganges que, em várias ocasiões, era sempre negro.
O Sr. Roberts fala em marcas sendo vistas distintamente quando a definição de imagem era boa.
O Sr. Antoniadi, depois de contar 42 canais, menciona um novo, visto em primeiro de Novembro, que não aparece nos mapas de Schiaparelli, mas que foi visto por observadores de Lick em 1892.
As observações mais precisas dos canais foram feitas pelo Sr. Stanley Williams. Seu relatório é reproduzido completamente.
Nesse artigo, vários nomes de observadores são citados, indicando os canais que eles observaram. Nomes como "Anubis", Astusapus", "Astaboras" e "Ganges" correspondiam à nomenclatura dada por Schiaparelli para os canais. O leitor deve atentar para o fato de os observadores nesse relatório confirmarem a existência dos canais "quando a definição da imagem era boa", o que está ligado à oscilações na imagem causada por turbulência atmosférica (8). Quem já observou qualquer planeta com grandes aumentos está acostumado ao fenômeno. Logo, as marcas filares eram vistas quando a turbulência se reduzia consideravelmente, o que ocorria apenas durante alguns minutos.

Fig. 4 Mapa de E. Antoniadi de marte mostrando os canais. Fonte (9).
Frequentemente, fala-se que os tais canais só poderiam na época ser vistos com telescópios de pequena abertura (abaixo de 10 polegadas). Sabe-se que a turbulência atmosférica influencia mais a formação de imagem com aberturas maiores. Isso é fácil de ser entendido considerando que, com aberturas maiores, a frente de onda que forma a imagem é maior (se comparada, por exemplo, à metade da abertura), de forma que a turbulência atmosférica é mais eficiente em deformar a imagem final com grande instrumentos. Entretanto, no "Report of the mars section" (1917-1918), "Observation and telescopic notes" (10), lê-se:
Escrevendo a respeito do telescópio refrator de 28 polegadas, Steavenson diz: "No dia 22 de abril, o seeing chegou a 5-6 (na escala do Prof. Pickering) por duas horas. Vi muito pouco além do que tenho visto com o equipamento de 10 polegadas, mas o que vi foi quase que instantâneo, ao invés de aparecer laboriosamente ao longo de uma hora de observação e, quando isso aconteceu, manteve-se a imagem serena por minutos certamente. De outra forma, o planeta apareceu muito como costumava ver em refratores de 8 e 10 polegadas. Os 'canais' eram  largos e difusos, embora bastante retos e suavizados como um todo. Não há dúvidas de que qualquer deles se apresentava meramente como cantos de marcações de meio tom. Tem-se dito que, com aberturas maiores, o planeta se apresenta cada vez mais natural, mas, nessa noite, penso que ele se parecia menos natural do que já tive chance de observar anteriormente. Esse efeito se deve largamente à retidão e o comprimento de Protonilus, Deuteronilus, Phison e Euphrates
Orontes e Typonius eram os únicos riscos que pareciam descontínuos."
Dessa forma, um observador confirmou a existência dos canais com um telescópio de 28 polegadas.

Fotografias que registram os canais

Céticos afirmam que nunca foram tiradas fotos registrando os canais e que isso prova que eram ilusórios. Inicialmente, ressaltamos que é possível explicar a raridade das imagens pela limitação tecnológicas da época quando não haviam ainda os dispositivos CCD ou câmeras digitais e os registros eram baseados em filmes químicos. Entretanto, segundo Webb (5):
R. J. Trumpler, na oposição de 1924 e 1926 fez, muitas centenas de fotografias de marte mostrando canais e, por um sistema de combinação de negativos, preparou mapas de marte que se parecem bastante com aqueles de Lowell e Schiaparelli. Embora Trumpler negue conhecimento prévio desses mapas, opositores da teoria dos canais dizem que ele foi influenciado por elas na preparação de seus próprios mapas.
A referência aqui é Robert J. Trumpler (1886-1956), astrônomo suíço, que não teve a fama de Schiaparelli ou Lowell. A referência que indica as fotos não pôde ser encontrada. Sobre tais fotos, escreveu Pettit (11):
Muitas tentativas foram feitas de fotografar essas difíceis marcas, os canais de marte. Embora imagens interessantes tenham sido obtidas, nenhuma fotografia revelou os detalhes finos descritos por observadores visuais. Com aumento de potência óptica e melhoria nas técnicas fotográficas agora disponíveis, pode parecer estranho que fotos melhores não tenham sido obtidas. A explicação comumente aceita é que grandes abertura não são adaptáveis ao problema, porque as condições de visibilidade nunca são suficientemente boas.
Esse autor reafirma que os canais são visíveis como "detalhes finos" na superfície de marte e que sempre escapam à fotografia por causa das condições de observação que pioram com grandes aberturas. Naturalmente, há vários trabalhos de Percival Lowell sobre fotografias de canais (12,13, 14) que foram desprezados. Mas, há também artigos de outros autores (15,16,17).
Fig. 5. Mapa de marte preparado na oposição de 1954 que, segundo (16) utilizou fotografias do planeta feita pelo telescópio refletor de M. Wilson de 100 polegadas (2,5 metros).
De particular interesse é o relatório de Pettit (16). Nele há um mapa feito na oposição de 1954 que mostra claramente os canais. No artigo pode-se ler (ver seção "Marcas identificadas como canais"):
As únicas fotografias em que buscamos canais foram as imagens em amarelo tomadas em 1, 2 e 3 de Julho durante boas condições de visibilidade, quando o planeta estava a 39800000 milhas de distância. Deve-se enfatizar que essas observações cobriram somente a região de 170 a 310 graus. Marcações visíveis em exposições foram identificadas com os canais Cerberus I, Hades, Eunostos I, Hyblaeus, Amenthes, Thoth-Nepethes e Gyndes-Alcyonus. Em nossas fotografias, essas marcações parecem como raias irregulares ou bandas. Em desenhos feitos em 1939 e 1941, observadores gravaram essas raias como duas linhas paralelas curvadas. Nossas fotografias as mostram como uma marca em forma de nuvem alongada. As únicas marcas que se pareciam como canais como são descritas usualmente foram Eunostos I e Hyblaeus que se assemelham a linhas grossas.  
Finalmente, em um artigo recente G. Mort (18) publicou algumas fotos e registros de marte feitos com o grande refrator Clark de 24 polegadas feitas em Mars Hill. Nelas se observam os detalhes finos na forma de canais como pode ser visto nas Figs. (6a) e (6b). A Fig. 6b mostra que a superfície de marte se parecia como uma rede de "veias" ou "rios" que percorriam o planeta. Portanto, cai por terra as teorias de que Lowell e Schiaparelli inventaram os canais ou foram iludidos por suas crenças em vida extraterrestre naquele planeta.

Fig. 6a. Direita: Registro fotográfico feito com refrator de 24 polegadas (ver ref. 18). Esquerda: imagem interpretada através de um desenho.
Fig. 6b. Registro fotográfico de marte feito com refrator de 24 polegadas (ver ref. 18) de Mars Hill (Arizona). Nessa imagem aparecem as estruturas filamentares que podem ser tomadas como canais.
Conclusões

Obviamente, a questão sobre a existência de canais artificiais em marte é hoje considerada resolvida. O que analisamos aqui como não resolvidas são as explicações e causas para o avistamento e registro de estruturas parecidas com isso por inúmeros observadores habilidosos como Antoniadi, Beer e Mädler e outros, para não citar Schiaparelli e Lowell.

Quando as primeiras imagens dos sistemas Mariner chegaram em 1966 revelando marte como um mundo parecido com a lua e desprovido de canais, a decepção foi geral. Então, surgiram teorias de que os canais eram avistamentos de cadeias de crateras sucessivas e que antigos observadores se deixaram levar por teorias de vida extraterrestre. Porém são inaceitáveis as descrições de que a estória dos canais foi uma criação das mentes de Schiaparelli e Lowell, ou que legiões de observadores se deixaram ingenuamente a acreditar e ver na superfície de marte essas estruturas. Ainda difícil de se acreditar hoje em dia é o efeito de influenciação psicológica por mapas areográficos em que essas estruturas aparecem. Na época acreditava-se que isso era possível e, provavelmente, ainda há pessoas que pensam assim.

Essas teorias remanescentes, que descrevem os canais como "ilusões de óptica", são adicionalmente inaceitáveis por uma razão muito simples: de dois em dois anos, marte entra em oposição e se torna um objeto altamente favorável à observação. Porém, desde os primeiros vôos aquele planeta, nunca mais as dezenas de canais foram observadas. Se a teoria da ilusão de óptica fosse ainda válida, poderíamos contemplar essas estruturas ainda hoje.

Em um artigo mais crível, G. Mort (18) propõe a teoria de que os canais existiram  de fato - como estruturas filamentares - mas foram cobertos pela atividade atmosférica daquele planeta desde então. Segundo esse autor:
(Essa teoria) mostra que aquelas observações feitas nos séculos XIX e XX se baseavam em algum tipo de realidade. Havia de fato marcas proeminentes na superfície marciana que foram legitimamente observadas com telescópios na Terra. Isso demonstra que o albedo da superfície marciana passou por mudanças dramáticas em um curto período de tempo areográfico. Talvez isso exija que se repense o processo evolutivo da climatologia marciana. Se não houver nada além disso, ela contribui para uma nova apreciação do trabalho de Schiaparelli de 1877 e as intrigantes observações que o sucederam. 
Segundo C. Sagan, seria impossível que tais características tivessem desaparecido pouco antes das primeiras Mariners chegarem ao planeta. A teoria de Mort é interessante, mas assume que essas revoluções de superfície aparentemente sepultaram para sempre os canais que foram vistos e correlacionados entre observadores em inúmeras oposições do planeta antes de 1964-1966, e que hoje não se avistam mais. Portanto, somos partidários da opinião de Sagan de que ainda existe uma "suspeita irritante" sobre toda essa estória dos canais.

Para quem tiver interesse em outras suspeitas irritantes relacionadas ao planeta vermelho, recomendo o  artigo sobre os "flares" marcianos por T. Dobbins e W. Sheehan (19) da ALPO

Para um mapa moderno (oposição de 2005) de marte por observadores na Terra, ver:

Referências e notas

(1) Para um relato da história de exploração de marte feita pela NASA ver: http://history.nasa.gov/marschro.htm

(1b) A. Manara e A. Wolter (2011). "Mars in the Schiaparelli - Lowell letters". Men. S. A. It. vol 82, 276. Ver: http://adsabs.harvard.edu/abs/2011MmSAI..82..276M

(2) http://pt.wikipedia.org/wiki/Giovanni_Schiaparelli (texto de Fevereiro de 2015).

(3)  Ver, por exemplo R. Milner (2011), "Tracing the Canals of Mars: An Astronomer's Obsession", em que o autor diz "ao menos um astrônomo proeminente estava convencido de que marte não só suportava vida, mas era morada de uma avançada civilização".

(5) Ver: http://adsabs.harvard.edu/full/1955PASP...67..283W. "Publications of the Astronomical Society of the Pacific", Vol. 67, No. 398, p.283

(7) "Report of the Mars Section. A List of Canals and Observers. Memoirs of the British Astronomical Association", vol. 4, pp.117-119 (1896). Ver: http://adsabs.harvard.edu/abs/1896MmBAA...4R.117.



(10) Ver: http://adsabs.harvard.edu/abs/1926MmBAA..26....1... Section for the Observation of Mars. 1917-1918. Introduction. Memoirs of the British Astronomical Association, vol. 26, pp.1-8 (1926)

(11) Ver: http://adsabs.harvard.edu/abs/1947PASP...59....5PPublications of the Astronomical Society of the Pacific, Vol. 59, No. 346, p.5 (1947)

(12) P. Lowell (1905) "The Canals of Mars - Photographed". Astronomische Nachrichten, volume 169, p.47. Ver: http://adsabs.harvard.edu/abs/1905AN....169...47L

(13) P. Lowell (1905) "The Canals of Mars-Photographed". Popular Astronomy, vol. 13, pp.479-484. Ver: http://articles.adsabs.harvard.edu/full/1905PA.....13..479L

(14) P. Lowell (1906) "First Photographs of the Canals of Mars". Proceedings of the Royal Society of London. Series A, Containing Papers of a Mathematical and Physical Character, Volume 77, Issue 515, pp. 132-135

(15) E. Pettit (1950). "Photographing Mars". Astronomical Journal, Vol. 55, p. 77. Ver: http://articles.adsabs.harvard.edu/full/1950AJ.....55R..77P

(16) E. Pettit e R. S. Richardson (1954) "Observations of Mars Made at Mount Wilson in 1954". 
Publications of the Astronomical Society of the Pacific, Vol. 67, No. 395, p.62. Ver: http://articles.adsabs.harvard.edu//full/1955PASP...67...62P/0000067.000.html?high=54d5f44f5d10654

(17) E. C. Slipher (1921). "Photographing the Planets with Especial Reference to Mars". Publications of the Astronomical Society of the Pacific, Vol. 33, No. 193, p.127. Ver: http://articles.adsabs.harvard.edu//full/1921PASP...33..127S/0000127.000.html?high=54d5f44f5d10654

(18) G. Mort. Mars: The Canal Cover-up. Martian revelations. http://www.gregmort.com/Bibliography_files/Mars_Canal_Cover-up_Final_Draft-5.pdf

(19) T. Dobbins e W. Sheehan. "Solving the Martian Flares Mystery".  http://www.alpo-astronomy.org/mars/articles/MartianFlaresALPO.pdf