July 11, 2014

Conjunção de Júpiter e Vênus (18 de Agosto de 2014)


Uma das mais fechadas conjunções entre planetas do ano de 2014 está para acontecer na madrugada e manhã do dia 18 de agosto de 2014. A simulação feita pelo software Stellarium, mostra o instante das 5:50 do tempo local (Campinas/SP, Brasil) quando Júpiter e Vênus distam aproximadamente 15 minutos de arco um do outro (isso é aproximadamente metade do diâmetro da lua cheia). O par está muito baixo no horizonte, pouco mais de 3 graus de altitude e a proximadamente a 60 graus de azimute (em relação ao norte) na constelação do Câncer.

É provável que a conjunção possa ser observada à vista desarmada até aproximadamente 30' depois do nascimento do fenômeno. Na data, Vênus terá diâmetro aparente de 10" enquanto que Júpiter será visível com aproximadamente 31". Para quem dispõe de equipamento, poderá seguir a conjunção após o nascimento do Sol. Progressivamente, cada membro da conjunção irá se separar ao longo do dia.

Recomenda-se um binóculo para observar esse belo fenômeno.

July 3, 2014

Ocultação de Marte e conjunção/ocultação de Saturno pela Lua (6 e 8 de Julho de 2014)

Fig. 1 Ocultação de Marte pela Lua em 6 de Julho de 2014. Atenção para o horário em TU!
Ocultação de Marte em 6 de Julho de 2014 (início).

A posição de Marte no céu permitirá a ocorrência de uma aproximação com a Lua durante o mês de Julho. Numa delas, boa parte da América do Sul será favorecida pela ocultação de Marte no dia 6 de Junho (1). Em outras regiões do Brasil, o fenômeno irá se manifestar como uma conjunção.

Na parte mais populosa da faixa da ocultação (Fig. 1), o fenômeno ocorrerá com a Lua muito baixa no horizonte oeste, no início do dia 6 de Julho. Por exemplo, para Brasília/DF, o fenômeno se inicia com Marte se ocultando no lado escurecido da lua (em quarto crescente), por volta das 23:54 do dia 5/7/2014. O conjunto Lua-Marte estará a 10 graus de elevação do horizonte. Com essa geometria, apenas o início da ocultação será visível nessa localidade.

Fig. 2 Marte, Lua e Spica como visto desde Brasília/DF as 23:53 do dia 5 de Julho de 2014. Apenas o início da ocultação será visível. 
Para outras regiões do Brasil (mais ao sul da linha austral de ocultação), o fenômeno obviamente se apresentará como uma conjunção. Mais à leste na região de sombra, o fenômeno ocorre mais cedo. Por exemplo, em Cuiabá o fenômeno tem início por volta das 23:48. Dados de temporização prevista para essa ocultação podem ser encontrados na referência (1).

Conjunção/Ocultação de Saturno com a Lua em 8 de Julho de 2014.

Esse fenômeno será verdadeiramente uma ocultação para a parte mais austral do Brasil, além de Argentina e Chile (2, Fig. 3). Interessantemente, essa ocultação não está reportada na página da IOTA para 2014. Desde Campinas/SP, o momento de máxima aproximação de Saturno com a Lua será por volta das 00:50 do dia 8 de Julho. Uma reprodução da previsão do instante de entrada de Saturno desde Porto Alegre/RS  pode ser visto na Fig. 4.

Fig. 3 Região da ocultação de Saturno pela Lua em 8 de Julho de 2014. 
fig. 4 Momento da entrada de Saturno na parte escura da Lua em 8 de Julho de 2014 por volta das 00:24 como visto desde Porto Alegre/RS. Na maior parte do Brasil, o fenômeno será visível como uma conjunção. A estrela visível abaixo é Zubenelgenubi da constelação da Balança.
Nas regiões do Brasil onde a ocultação será visível, o egresso de Saturno poderá ser visto com a Lua muito baixa no horizonte oeste, já que o fenômeno durará aproximadamente 30 minutos.

Referências

(1) http://lunar-occultations.com/iota/planets/0705mars.htm
(2)http://asa.usno.navy.mil/cgi-bin/occnwdo.cgi?dir=2014/occns&file=occn.2014Jul08.Saturn&body=Saturn


May 20, 2014

Mitos no céu (origem de algumas constelações)



A origem das constelações (katasterismoi em grego)
A maior parte das culturas antigas via imagens nos agrupamentos de estrelas do céu. Os primeiros esforços para catalogar as estrelas podem ser vistos em antigos registros cuneiformes que datam de 6000 a. C., encontrados no vale do rio Eufrates (Babilônios). Leão, Touro e o Escorpião já eram vistos pelos antigos no céu. As constelações de hoje são, entretanto, diferentes das de ontem, pois elas são contribuição de várias sociedades e povos. Gregos e romanos foram, porém, os que mais contribuíram para a formação dos mitos e figuras no céu.

As constelações:  o que são

Constelações são agrupamentos "ilusórios" de estrelas. O céu foi "dividido" em constelações (88 ao todo), da mesma forma que se dividem terras em países e regiões. A divisão é puramente arbitrária, mas está baseada em antigas tradições.

As estrelas se distanciam de nós de forma arbitrária, mas da projeção das distâncias no céu, tem-se a impressão que estão sobre um mesmo "plano" e, da imaginação, surgem figuras geométricas. Mais recentemente, (depois do renascimento e grandes navegações), constelações austrais foram acrescentadas, com motivos ligados à equipamentos de navegação ou animais encontrados nas novas terras...

Por volta do IV milênio antes de Cristo, os antigos Acádios reconheciam um conjunto de constelações como "os sulcos de plantação", que eram arados pelo "touro celeste", conforme narra a Epopéia de Gilgamesh. Na época, o sol entrava a primavera no Touro...

Um exemplo de constelação antiga: o Touro


A constelação é caracterizada por um notório asterismo em forma de ‘V’, que é a face do touro. A estrela "Aldebarã" (do árabe, Al Dabaran, ou a “seguidora”) é o olho vermelho do Touro. O asterismo em forma de "V" é conhecido como as Hyades (aglomerado aberto). As "Hyades" ("huades", as chorosas) eram ninfas meia-irmãs das "Pleiades" e filhas de Atlas e Etra. Foram encarregadas por Zeus de cuidar do deus Dionísio e, por causa disso, ganharam o céu.  Outra versão (http://www.theoi.com/Nymphe/NymphaiHyades.html) fala que, após a morte de seu irmão Hias, as ninfas chorosas foram elevadas ao céu por Zeus. Hias, por sua vez, foi transformado na constelação de Aquário. Para os romanos: Júpiter se transformou em um "touro" para carregar Europa, filha do rei de Cretas. 

Um exemplo de constelação moderna: Antlia.


Criada em 1752 por Nicolas Louis de Lacaille para homenagear a invenção da máquina pneumática ou bomba de ar. É um asterismo pálido no céu, visível apenas em locais escuros.

O Zodíaco (zodiakos kyrklos – círculo de animaizinhos)

Zodiaco de "Denderat" (~1 a. C),  cópia de antigos documentos egípcios, hoje no museu do Louvre.
Ao longo de séculos de história, diversos povos viram várias constelações. Mas todos sempre consideravam diferentes as constelações por onde o sol passava, com diferentes significados.    

Mitos relacionados a algumas constelações do Zodíaco

Áries

É o cordeiro alado Chrysomallos (Χρυσόμαλλος) de lã dourada, procurado por Jasão e os Argonautas. O cordeiro tinha sido originalmente presenteado a Nefele por Mercúrio, quando seu marido arranjou outra mulher (Ino). Ino perseguiu os filhos de Nefele, Frixo e Hele. Para mantê-los seguros, Nefele montou-os no lombo do cordeiro que voou em direção ao leste. Hele caiu do cordeiro na região do Helesponto (estreito dos Dardanelos) entre o mar Egeu e o mar de Marmara. Mas Frixo aterrisou na Cólquida na parte leste do mar Negro. Frixo sacrificou o cordeiro e presenteou a flecha dourada ao rei Aetes. O rei, por sua vez, presenteou Frixo com a mão de sua filha, Calcíope.

Touro

Europa, filha do rei Agenor da Fenícia, gostava de brincar com suas amigas na praia. Zeus intruiu seu filho Hermes a espantar o gado do rei em direção à praia, onde as garotas estavam brincando. Assumindo a forma de um touro, Zeus se infiltra no bando e espera pela chance de raptar Europa. 

Gêmeos

Gêmeos representam Castor e Polideuces (Pollux é a versão latina), conhecidos pelos gregos como os os Dioscuri, "filhos de Zeus". Entretanto, mitologistas não sabem realmente se eram "filhos de Zeus" por causa das circunstâncias de seu nascimento. A mãe de Gêmeos era Leda, rainha de Esparta, visitada certo dia por Zeus na forma de um cisne (que é agora representado pela constelação Cygnus). Na mesma noite, Leda dormiu com seu marido, o rei Tíndarus. Ambos relacionamentos deram certo, pois, de Leda nasceram quatro crianças. Na versão mais aceita, Polideuces e Helena (que se tornou depois Helena de Tróia) eram filhas de Zeus (e imortais), enquanto que Castor e Clitemnestra eram filhos de Tíndarus e, portanto, mortais. Castor e Polideuces cresceram juntos, sempre amigos, e dizia-se que se pareciam muito um com o outro. Foram colocados nos céus por Zeus depois que Polideuces matou seu irmão em uma disputa por causa de uma mulher.

Câncer

Um personagem menor em uma das histórias sobre Héracles (o nome grego para Hércules). Numa luta contra a serpente de muitas cabeças, a Hidra do pântano de Lerna, emergiu o caranguejo,  picando Hércules nos pés. Em um só golpe, Hércules esmagou o caranguejo. Por esse ato modesto mas corajoso, a deusa Hera, que era inimiga de Hércules, transformou o caranguejo em constelação. 

O trópico de Câncer corresponde à latitude onde o Sol está ao meio dia de 21 de Junho. No tempo dos gregos antigos, o sol estava em câncer exatamente nesta data. 

Leão

Eratóstenes e Higius afirmam que foi o leão colocado no céu por ser o rei das feras. Mitologicamente, esse é o Leão de Neméia, morto por Héracles (Hércules) como uma das suas doze tarefas. Neméia é uma cidades a sudoeste de Corinto. Lá vivia o leão em uma caverna com duas entradas, a devorar os habitantes da cidade, que se tornavam cada vez mais escassos. Esse leão era invulnerável, diz-se que foi cria do cão Ortrus, o monstro Tífon ou mesmo gerado por Selene – a deusa lunar. Sua pele resistia a todas as armas e Héracles mesmo provou isso atirando nele uma flecha, que simplesmente ricocheteou.

Virgem

Segunda maior constelação do céu (a maior é Hidra). Os gregos a chamavam Partenos, identificada como Dike, a deusa da Justiça, filha de Zeus com Temis. Existe outra deusa associada a Virgem, Deméter, deusa do milho, filha de Cronus com Reia. Epsilon virginis é chamada Vindimiatrix (grego: Protrigeter), do latim "colhedora de uvas", porque o aparecimento dessa estrela antes do sol em Agosto marca o começo da colheita de uvas.

A designação em grego de Vindimiatrix foi dado em comemoração a Ampelus, um garoto que foi supostamente amado pelo deus Dionísio. Virgem abriga o sol no Outono (hemisfério norte). Dias e noites se tornam iguais e  prepara-se para o inverno.

Referências



  1. Uma excelente referências sobre mitologia grega na web é www.theoi.com. Em particular, sobre os katasterismoi: http://www.theoi.com/Cat_Astraioi.html
  2. I. Ridpath, Miths, legens and history of the constellations. http://www.ianridpath.com/startales/contents.htm